Capital de Giro: o que é e como calcular o do seu negócio

Entenda melhor o conceito de capital de giro, qual a importância de tê-lo sob controle para a saúde financeira do negócio e como calculá-lo corretamente


Entre todos os termos e conceitos confusos à primeira vista que todo empreendedor precisa ter em mente, o de capital de giro é, sem dúvida, um dos mais importantes.

Entender bem o conceito de capital de giro e como ele influencia na saúde financeira da sua empresa é fundamental para mantê-la funcionando a todo vapor.

Assim como compreender as consequências para seu negócio de não fazer uma boa gestão dos recursos disponíveis, como o dinheiro em caixa, estoque e outros. 

Nos tópicos a seguir, além de entender de vez o conceito e importância de capital de giro para sua empresa, você saberá como calculá-lo e muito mais. Vamos lá?

Afinal, o que é capital de giro?

Capital de giro é o valor em caixa que cobre todas as despesas de uma empresa. Ou seja, é o dinheiro que deve estar sempre disponível para comprar mercadorias e insumos, pagar o salário dos funcionários, ficar com os impostos em dia e mais. 

Afinal, desde realizar o pedido com um fornecedor até receber o dinheiro por uma venda realizada, pode haver um longo tempo de espera. Nesse período, ter um meio de pagar as despesas sem arriscar a saúde financeira do negócio é essencial.

Manter um bom valor de capital de giro em caixa é fundamental principalmente durante períodos em que as despesas ficam maiores do que a entrada de receita. É o caso, por exemplo, de empresas que fazem vendas parceladas a longos prazos.

Necessidade de Capital de Giro

O capital de giro deve fazer parte da empresa desde o momento de sua criação, daí a importância de poder contar com um capital inicial robusto logo no início.

Mas, dependendo do segmento em que a empresa atua e as estratégias de vendas adotadas, sua necessidade de capital de giro pode tanto aumentar quanto diminuir.

Para que você possa determinar sua Necessidade de Capital de Giro, é preciso conhecer seus prazos médios de pagamento e prazos médios de recebimento.

O prazo médio de pagamento é a média do tempo entre o momento que você fez uma compra com um fornecedor até o momento do pagamento. Já o prazo médio de recebimento é a média do tempo entre a venda para um cliente e o recebimento.

Após determinar esses valores, basta aplicá-los na fórmula a seguir para definir a Necessidade de Capital de Giro (NCG) da sua empresa:

NCG = Prazos Médios de Recebimento – Prazos Médios de Pagamento

Caso o prazo médio de pagamento seja maior que o prazo médio de recebimento, a Necessidade de Capital de Giro da sua empresa será menor. Isso porque suas despesas com fornecedores serão pagas pelo dinheiro recebido de seus clientes.

Por outro lado, um prazo médio de recebimento maior que o prazo médio de pagamento significa mais Necessidade de Capital de Giro. Afinal, como pagar seus fornecedores se seus clientes demoram mais tempo para pagar suas compras?

Como calcular Capital de Giro Líquido

Se você já compreendeu a importância de manter um bom valor de capital de giro, deve estar se perguntando como definir a quantia ideal que seu negócio precisa ter.

Fazer esse cálculo é muito mais simples do que você pensa, mas antes é necessário compreender dois outros conceitos: ativo circulante e passivo circulante.

Ativo circulante é todo capital que a empresa deverá receber em curto prazo, incluindo itens de estoque, aplicações financeiras e empréstimos; enquanto passivo circulante é toda despesa que o negócio deverá pagar neste mesmo período.

Calculando seus ativos e passivos, você será capaz de calcular o Capital de Giro Líquido de sua empresa. Para fazer este cálculo, basta usar a fórmula abaixo:

Capital de Giro Líquido = Ativos Circulantes – Passivos Circulantes

Para ficar claro, imagine que a soma de todos os seus ativos circulantes em um determinado mês seja de R$ 30 mil, enquanto seus passivos circulantes, ao todo, somam R$ 12 mil. Logo, o valor de seu Capital de Giro Líquido seria de R$ 18 mil.

Isso quer dizer que, ao final de cada mês, sua empresa precisa ter uma reserva de R$ 18 mil para poder honrar todas as despesas do negócio e manter a operação.

Por levar em conta todos os ativos e passivos da empresa, e não apenas as contas a pagar e a receber, o cálculo de Capital de Giro Líquido é considerado o indicador mais seguro para conhecer as condições financeiras imediatas de um negócio.

Possuir Capital de Giro Líquido positivo pode indicar não apenas que há dinheiro para as despesas a curto prazo, como também que o negócio pode investir em expansão. Por outro lado, possuir saldo negativo deve servir como sinal de alerta.

4 erros de capital de giro que devem ser evitados

Algumas atitudes em relação à empresa podem prejudicar tanto sua saúde financeira quanto sua capacidade de contar com um capital de giro. Veja algumas: 

1. Oferecer parcelamentos de prazos longos

A possibilidade de parcelar compras de alto valor é uma vantagem importante para seus clientes, mas que pode prejudicar seu negócio sem o planejamento adequado.

Afinal, quanto mais opções de parcelamento estiverem disponíveis para um cliente, mais confortável ele ficará para comprar produtos ou contratar serviços por um custo maior sem a preocupação de sobrecarregar demais seu orçamento mensal.

Mas, quanto maiores forem os prazos de recebimento, mais tempo levará para você receber seu dinheiro e mais difícil será colocar as despesas da empresa em dia.

Uma das maneiras de resolver este problema é antecipando seus recebíveis, mas este é um assunto que abordaremos com maior profundidade mais adiante no texto.

2. Contar com o dinheiro que ainda não tem

Fazer planejamentos com o dinheiro que ainda não entrou no caixa é um erro que pode custar muito caro para o futuro e para a saúde econômica da sua empresa.

E-book

É importante lembrar que sempre há o risco de inadimplência, o que pode comprometer todo seu planejamento e impedir que as despesas sejam quitadas.

Para evitar que uma situação assim aconteça em seu negócio, pode valer a pena fazer o acompanhamento dos recebíveis, por exemplo cobrando clientes atrasados.

3. Solicitar empréstimos sem planejamento

Pedir um empréstimo é uma decisão de alto risco para qualquer empresa e que deve ser muito bem avaliada, já que pode comprometer seu caixa por muito tempo.

É comum que, em situações de desespero, empreendedores recorram à empréstimos sem analisar outras alternativas e fiquem presos aos juros enormes.

Por isso, antes de solicitar um empréstimo que pode prejudicá-lo no futuro, é essencial analisar as opções de linhas de crédito e possuir um plano para quitá-lo.

Lembre-se que não pagar o empréstimo pode resultar em consequências tanto para a reputação e credibilidade de sua empresa quanto para suas próprias finanças.  

4. Fazer um mau gerenciamento do estoque

Um dos erros mais comuns cometidos em relação à gestão do estoque de uma empresa é aproveitar descontos para adquirir mais produtos do que o necessário.

Afinal, cada produto parado em estoque por muito tempo sem uma previsão exata de saída representa capital parado, o que pode prejudicar a empresa a longo prazo.

Comprar somente o essencial, como produtos que possuem uma excelente saída em seu negócio, pode prevenir erros como esse e beneficiar seu capital de giro.

4 dicas para aumentar o capital de giro da empresa

Aumentar o capital de giro de sua empresa a curto prazo pode ser possível com a ajuda de algumas estratégias. Analise as opções a seguir de acordo com a realidade financeira do seu negócio e lembre-se que planejamento é indispensável.  

1. Antecipe todos recebíveis de sua empresa

Como vimos, possuir um prazo médio de recebimento muito maior do que um prazo médio de pagamento pode colocar a saúde financeira da empresa em grande risco.

Uma possível solução para evitar esse problema seria diminuir o prazo para receber o dinheiro das vendas, diminuindo a quantidade de parcelas oferecidas aos clientes.

No entanto, a possibilidade de parcelar compras de alto valor funciona como um grande atrativo, e seu negócio poderia ser prejudicado se seguisse esse caminho.

Outra opção seria optar pela antecipação de recebíveis. Dessa forma, sua empresa teria acesso adiantado aos valores que normalmente seriam recebidos mais tarde, porém com as altas taxas cobradas pelas adquirentes já descontadas do valor final.

Para se ter noção, uma taxa de antecipação, ou seja, a porcentagem cobrada pela operadora da sua máquina de cartão sobre o valor de cada transação parcelada, pode facilmente ser superior a 5%, com taxas adicionais de 2% a 3% por parcela.

Isso quer dizer que, se seu negócio vender um valor total de R$ 25.000 ao mês, parcelados em até 12x, cerca de 38% desse valor nunca chegaria no seu bolso. Em outras palavras, sua empresa deixaria de ganhar mais de R$ 9.500 reais por mês.

Felizmente, existe uma alternativa que permite que você receba o valor total por compras parceladas em até 12x de uma vez só e no dia seguinte. Conheça ela aqui

2. Renegocie suas dívidas com fornecedores

Adquirir constantemente produtos para serem vendidos em seu negócio ou insumos que possibilitem você continuar oferecendo seus serviços aos clientes é essencial.

Mas enquanto seus clientes têm a opção de pagar por seus produtos ou serviços a prazo, o pagamento de seus fornecedores nem sempre pode esperar tanto tempo.

Antes de mais nada, analise seus gastos com fornecedores e estude se podem ser diminuídos de alguma maneira antes de fazer grandes compras por altos valores.

No caso de dívidas atuais, tente negociá-las para tornar os valores mais acessíveis. Lembre-se que seu fornecedor, assim como você, não deseja perder bons clientes.

Por fim, você pode ainda converter o limite do seu cartão de crédito em capital de giro. Ficou confuso? É simples: você parcela qualquer boleto em até 12x no cartão. Assim, você não precisa de um empréstimo e paga taxas muito mais acessíveis. Além disso, o emissor recebe à vista. Se interessou? Clique aqui e veja como usar.

3. Recorra a um aporte pessoal ou de sócios

Tirar dinheiro do próprio bolso para garantir que a empresa tenha capital de giro é indispensável no começo da empresa, mas pode ser necessário também em momentos de crise.

Conseguir o aporte de um sócio interessado em investir na empresa pode ajudar muito nesse momento, principalmente por não ser necessário pagar juros enormes para ter acesso ao dinheiro.

Com o capital de giro garantido, sua empresa terá melhores condições não apenas de se manter ativa, como também de investir em melhorias e expansões que possibilitem a retorno do investimento.

4. Para prazos curtos, use a Conta Garantida

A Conta Garantida é uma alternativa mais acessível para empresas terem acesso a capital de giro sem precisarem recorrer a empréstimos com juros altíssimos.

Ela é uma modalidade de crédito rotativo com limite pré-estabelecido pela agência bancária emissora disponível para saque mais rapidamente do que o tradicional.

Recorrer à Conta Garantida é uma alternativa menos burocrática para empresas que precisam de capital rapidamente para gastos mais pontuais e de curto prazo.

Porém, se os saques forem feitos sem planejamento, o IOF cobrado sobre o valor de cada um pode facilmente superar o valor dos próprios juros dessa operação.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

13 Comentários

  1. Gostaria de fazer uma simulação

    1. Gostaria de receber uma simulação

      1. Quero fazer uma simulação!

    2. Olá, tudo bem? Para conhecer o Parcele Já, basta acessar este link (https://pja.cappta.com.br/) e preencher seus dados no formulário de cadastro para receber um contato do nosso time comercial!

    3. Quero quais os juros para PJ!

  2. Essa capital é muito importante para minha empresa ..ok

  3. Bom

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.